domingo, 7 de dezembro de 2008

Maratona de Lisboa = Bolhas= Desistência :(

Decididamente há algum «malapata» que me persegue este ano. Hoje foi mais um dia dificil digamos assim. Não terminei a maratona o que logo à partida é péssimo pois esse seria sempre o primeiro objectivo pois não gosto nada de desistir. Mas por incrivel que pareça não fiquei tão frustado como em Barcelona onde terminei apesar do resultado final ter sido muito muito mau para as minhas expectativas. Se em Barcelona foi nitidamente uma questão de falta evidente de treino para o resultado final que ambicionava hoje o calcanhar de aquiles foi outro. Fisicamente a prova decorria conforme o estipulado correndo num grupo coeso de 6 atletas, que penso pelo equipamento visto não o conhecer pessoalmente integrava o atleta Luis Mota que tem um blog muito interessante e que tem deixado umas palavras de incentivo no meu, até por volta dos 17km ou seja a ritmo de 4m/Km. A partir daqui e penso eu que devido aos ténis que levei não serem propriamente impermeáveis e já estarem bastante encharcados comecei a sentir um mau estar que me começou a condicionar a forma de correr contraindo-me bastante. Bolhas...e mais bolhas que como é óbvio provocavam dor a cada passada. Tentei resistir e não pensar naquilo pensando que no final logo se veria o estrago. Abrandei propositadamente o ritmo e fiz 2km na casa dos 4m15s o que não era catastrófico e mantinha as minhas ambições para o tempo final. Entre o km 19,5 e a passagem da meia foi a morte do artista. Aquela parte da prova que passa junto à praça do comércio, rua do ouro, rossio e regressa à praça tem um piso extremamente irregular que deve ter ajudado a agravar as bolhas nos pés. Ainda passei à meia em 1h25m pouco mas vi logo que ia ser complicado de gerir este problema. Mais uma vez abrandei e assim fui até aos 25km. Aí tive mesmo de parar e tirar o sapato. Quando senti o pé por baixo da meia nem foi preciso trá-la para ver que seria uma parvoíce continuar em prova. É nestas alturas que custa muito tomar esta decisão mas agora a frio vejo que foi o mais acertado de fazer pois a única hipótese que iria ter para acabar a prova seria seguir a andar e faltavam mais de 15km...correndo o risco de agravar bem mais os problemas e causar outros relacionados por andar ao pé coxinho ! Enfim...naquela altura até me vieram as lágrimas aos olhos de raiva por tudo aquilo que acontecia. Valeu-me o grande amigo Miguel que se preparava para me acompanhar nos últimos kms e apercebendo-se que algo estava mal foi ao meu encontro e me deu conforto e ânimo, um colete para me proteger do frio e fez-me companhia até ao regresso á praça do comércio sempre a andar devagar e a ver a malta a passar. Afinal como ele diz à muitas maratonas para desafiar e hoje não era definitivamente um dia para fazer marcas. O vento logo no inicio entre a partida e Algés onde era feito o retorno aos 10 km era contra e bem moderado e de vez em quando vinha um aguaceiro daqueles que deixa os musculos gelados e não ajuda nada apesar de a temperatura estar ok ! De resto acho positivo ver tanta gente a correr a maratona e a meia e que pena que todos aqueles estrangeiros que vieram fazer a prova não fossem brindados com o nosso habitual tempo soalheiro mesmo em Dezembro como por exemplo no ano passado onde as condições foram bem bem melhores.Mas foi assim e é igual para todos.A mim não me serve de desculpa para nada. Eu que costumo ficar a ver os atletas a chegar à meta nem essa vontade tive. Foi carro e directo para casa onde finalmente vi ao vivo as bolhas terriveis com que fiquei e que a minha querida esposa fez o melhor possivel para minorar o meu incomodo. No entanto a ideia com que fiquei foi que a grande maioria dos atletas que hoje terminaram a prova dificilmente bateram as suas marcas a não ser aqueles que se estrearam e logo com grande baptismo em tão dificeis condições ! Os meus parabéns a todos eles e também aos que fizeram a meia e a prova aberta e aqueles poucos como é costume que se dignaram a aplaudir os atletas à sua passagem e onde ainda ouvi alguns a gritar por mim. Obrigado pelo apoio ! Nisto temos anos de atraso em relação aos outros paises onde uma maratona é uma autêntica festa. Nada de novo para quem corre à bastantes anos e faz provas em Portugal excepto honrosas excepções.
Ficou uma preparação de 12 semanas muito razoável e de que me orgulho, mais um dia de aprendizagem e de confirmação que adoro correr e participar nestes eventos, mais um treino de pelo menos 25 km dos quais 22 foram a 4m e muito pouco o km o que não deixa de ser um treino bom e a ideia que hoje sem bolhas e com condições meteorólogicas mais favoráveis tinha feito uma marca de recorde pessoal. Espero que o Luis Mota apesar de me ter parecido em quebra à vinda para a praça ao km 30 tenha recuperado e terminado dentro dos seus objectivos.Um abraço Luis e espero conhecê-lo numa próxima prova !
Agora a quente não sei sinceramente o que vai ser amanhã. Mas o mais provável é continuar o treino comvista às provas de dezembro que aí vêm, recomeçar a nadar e a pedalar para efectuar uma boa pré-época de triatlo e pensar se valerá a pena ou não arriscar fazer em fevereiro a maratona de Sevilha. Uma coisa é certa. Não são as bolhas e esta desistência que me farão esmorecer. O que não falta é provas para correr ! O que dirão então os quenianos que seguiam hoje nos primeiros lugares e já depois dos 30km desistiram ? Para esses que são profissionais e vivem disto deve ser bem mais complicado...Eu amanhã lá estarei no meu trabalho mesmo sendo feriado !!! A vida segue sem parar...

6 comentários:

Mark Velhote disse...

Olá Ricardo,

Pelos tempos finais já percebi que foi uma Maratona difícil para toda a gente.
Tenho pena que não tenha terminado, mas há alturas em que é melhor parar do que arriscar problemas físicos, que foi exactamente aquilo que fez.

Felizmente que desafios não faltam!Para a próxima vai correr melhor!
Um abraço!!

joaquim adelino disse...

Olá Ricardo
Venho aqui dar-lhe uma palavra de alento. Verifique o tipo de ténis que utilizou, é estranho aos 17 kms numa Maratona tão bem preparada esses problemas surgirem com tanta gravidade.
Mesmo assim demonstrou grande espírito de sacrifício, sinal de que um campião como você não desiste com facilidade.
Desejo boa recuperação.

luis mota disse...

Olá Ricardo!
Antes de mais agradecer ao Ricardo a companhia ao longo de grande parte da prova.
Hoje as coisas correram como esperava, não como ambicionava.
O tempo não ajudou. A pior parte foi a fase 25 35 quilómetros. Muito vento de frente. Quando me apercebi que não ia baixar as três horas, reduzi para concluir de forma confortável. O problema foi depois de terminar. Quando tudo estava bem bebo aquela “bebida colorida”. O estômago não gostou e depois foram as grandes dificuldades.
Agora resta recuperar.
Uma boa recuperação para si,
Luís Mota

Fernando Carmo disse...

Boas Ricardo,
Tu és teso... Em Sevilha lá estaremos :-D

Faltam 12 semanas!

MPaiva disse...

A decisão de parar é extremamente custosa para quem gosta de correr. Não tenho dúvidas de que tudo fizeste para não a ter de tomar, mas quando as circunstâncias são as que descreves, é a melhor opção.
Tenho a certeza de que, brevemente, terás oportunidade de te redimir.
abraço
MPaiva

luis mota disse...

Desejo um bom Natal para ti e para a tua família, com paz e saúde.
Grande abraço.
Luís Mota